Ocorreu na tarde desta quinta-feira (3) na 41ª Expofeira de São Lourenço do Sul, a solenidade de encerramento do Programa ALFA– Alfabetizando para Profissionalizar, com alunos da localidade do Sítio, interior do município. O Programa fora realizado no período de abril a setembro de 2019.

O Programa foi realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-RS), contou com a parceria de entidades locais e, em especial com o Sindicato Rural de São Lourenço do Sul.

A mesa de autoridades foi formada pelo Presidente Sindicato Rural de São Lourenço do Sul, Ricardo Serpa, representando o prefeito Rudinei Härter estava o Secretàrio do Desenvolvimento Social e Habitação, José Valdoir Ribeiro, representando a Secretária de Educação, Cultura e Desporto, Cristiane de Souza Hax, a professora Beatriz Soares, o Secretário de Turismo, Indústria e Comércio, Luis Carlos Citrini Braga, a Analista Educacional do Programa Alfa, Zulaine Duarte Hosang

Os formandos do Programa ALFA:

Anilda Borck Jacobsen

Elny Stöcker Eichholz           

Elvira Affeldt Fiss

Iri Scheer Kruger

João Augusto Jacobsen

Laura Radtke Fischer

Maria Soir Duarte Hosang

Osmar Bartz

Waldemiro Eichholz

Wilma Wegner Bartz

Wilmar Fiss

Professora: Anelise Duarte Hosang.

O SENAR adota uma concepção de trabalho que associa educação e trabalho, fazendo com que seus programas principais se desenvolvam de forma sinérgica. O “Programa Alfa-Alfabetizando para Profissionalizar”, que reúne a formação profissional rural e a promoção social, chega às comunidades rurais, como um conjunto de atividades de caráter eminentemente humano. Enquanto enfocam a capacitação para o trabalho, essas atividades atuam no desenvolvimento de aptidões pessoais e, simultaneamente, promovem ações de educação, tendo, como prioridade, a alfabetização de produtores e trabalhadores rurais.

Partindo dessa premissa, que coloca a educação como impulsora de mudanças sócio-ocupacionais nas comunidades rurais, o SENAR inclui, em seu planejamento, a alfabetização de adultos, estabelecendo, com isso, as bases cognitivas para a formação profissional e a promoção social. Seguindo essa linha integrada de planificação, complementa-se o ciclo para a união entre educação e trabalho. Dificilmente tal união ocorreria, caso não fosse oferecida a oportunidade de alfabetização, uma vez que a maioria das ocupações exercidas no meio rural exige a capacidade de leitura, escrita, interpretação de textos e domínio das quatro operações matemáticas.

Como dinâmica de trabalho as aulas eram ministradas três vezes por semana nas segundas, quartas e quintas-feiras, no horário das 18h às 21h, na comunidade São João do Sítio.

 A turma era formada por 12 alunos, que com muito comprometimento participaram das aulas com entusiasmo. Inicialmente passaram por dificuldades em compor a turma, e alcançar o número mínimo de participantes, pois o clima era muito chuvoso e muito frio, onde o chimarrão e uma sopa na merenda ajudavam a esquentar, durante este período, foram muitas conversas, questionamentos de vários assuntos e trocas de experiências.

O encerramos da solenidade transcorreu com coquetel e confraternização entre formandos, professores, autoridades e demais familiares.