Em entrevista ao São Lourenço Repórter, o até então vereador do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Abel Bueno, afirmou que não haveria tempo hábil para um processo de expulsão partidária, como então deseja a cúpula do PDT em São Lourenço do Sul. “Essa acertiva é falciosa e mentirosa”, destacou.

Na manhã desta segunda-feira (9), Bueno se disse grande admirador de Leonel Brizola e seus ideais, porém, traído na atual gestão municipal e, que fora “perseguido” e “retalhado” desde os primeiros meses de mandato. O estopim para o atrito com o prefeito Rudinei Härter (PDT), segundo o mesmo, foi a falta de diálogo no PL de aumento das taxas de lixo e IPTU, que na oportunidade foi contra.

Mas, Abel Bueno pediu seu desligamento do PDT, de certa forma abrindo mão de concorrer a Prefeitura, porque está migrando ao MDB, do atual vice-prefeito, Carlos Antônio Becker Lessa (Tonho Lessa), que é pré-candidato ao executivo. “Vou ao MDB, passo a integrar o partido do vice-prefeito”, finalizou.

ESCUTE A ENTREVISTA:

Entrevista com o vereador Abel Bueno

por São Lourenço Repórter | 9/03/2020

DIREITO DE RESPOSTA

Processualmente, poderíamos conversar inúmeras horas sobre a inviabilidade de um procedimento de expulsão partidária. Poderíamos debater direito eleitoral, prazos, recursos, ritos. Também poderíamos falar de ação civil pública para restituição de valores pagos indevidamente. Poderíamos falar de secretários ficha limpa. Poderíamos falar de improbidade administrativa.

O bom do Estado Democrático de Direito e da liberdade de expressão é que podemos dar vez e voz àqueles que precisam. No meu direito de resposta, opto por falar sobre os motivos pelos quais saio e pelos motivos que alguns queriam a minha saída. Ciente do meu papel como representante do povo lourenciano, que conferiu a mim poderes para lutar por seus interesses e direitos, venho mais uma vez prestar esclarecimentos.

Quando me filiei ao Partido Democrático Trabalhista – PDT – fui acolhido com o melhor discurso de “boas vindas”, promessas de cooperação e unificação.

O PDT de Brizola, que surgiu com os anseios da social-democracia, traz em seu estatuto, já no artigo 1º, que um dos seus objetivos é “lutar pela causa da mulher, do negro, do índio, dos jovens e dos idosos, sem qualquer forma de discriminação”.

E qual foi a posição (recente) do Presidente Municipal do Partido? Manifestar-se na rede social Facebook dizendo que deveriam ser promovidas em São Lourenço do Sul excursões para cães passarem a virada do ano. Não seria isso um deboche ao meu projeto de lei que previa reservar e zelar a saúde física e emocional de crianças autistas, idosos e animais através da proibição do uso de fogos de artifício com grandes ruídos/estampidos?

Ainda,  em seu Estatuto, o Partido Democrático Trabalhista prevê “defender a dignidade da função pública, sob a inspiração da moral e da ética, com o objetivo de servir ao cidadão e prestigiar o servidor”. E o que temos visto diariamente nas “decisões” advindas do executivo municipal? Revisões de benefícios e direitos adquiridos tolhidos de nossos servidores, vencimentos abruptamente reduzidos, além da falta de condições ou materiais de trabalho.

A Carta de Mendes, de 1983, quando reuniu os principais nomes junto a diretiva nacional do partido, deixou clara as intenções que os verdadeiros PDTistas seguiriam:  “O nosso Socialismo há de ser construído através do voto livre, numa sociedade pluralista e civil, sem discriminar ou excluir quem quer que seja”. Pois bem, eu, Vereador Abel Bueno, advogado militante no direito criminal, onde muitas vezes luto pela liberdade dos meus assistidos, venho manifestar-me quanto as discriminações que sofri principalmente nos primeiros meses de governo, quando votei contra o aumento das taxas de lixo e IPTU.

Naquele momento, passei a sofrer retaliações. Naquele instante, vi que o PDT de Brizola, o PDT que na sua origem levantou a bandeira da liberdade, da democracia e do voto livre, em São Lourenço do Sul é o PDT de poucos. De uma cúpula que manipula, que cria situações, que apresenta inverdades. Que traz interesses pessoais à frente dos interesses coletivos. O PDT que conheci e que sempre admirei não é este visto por aqui. Não é. Sendo assim, com a abertura da janela partidária, dou um novo suspiro para criar forças na busca pelos direitos e pelos interesses de todos os lourencianos.