O presidente da Sociedade de Medicina de São Lourenço do Sul (SOMESUL) e vice-diretor clínico do Centro de Saúde São João da Reserva, Dr. Alfredo Pukall Born, esteve reunido na data anterior no Gabinete do Prefeito, com o chefe do executivo, Rudinei Härter, com a Secretária de Saúde, Jaqueline Bergmann e representantes do Corpo Clínico da Santa Casa.

De forma coletiva, começa a ser estudada o plano de ação e contingência do coronavírus, e a possibilidade, em eventual superlotação dos leitos do hospital referência (hoje o Hospital de Clínicas de Porto Alegre) devidos a internados graves com Covid-19. O município trabalha para destinar toda uma ala na Santa Casa de Misericórdia, específica para tratar a doença, isolados dos demais enfermos. Inclusive destinando os dois respiradores Centro de Saúde da Reserva, para o hospital da cidade, onde ficaríamos com quatro aparelhos concentrados em um mesmo complexo.  

O cardiologista, Dr. Alfredo, em entrevista ao São Lourenço Repórter na manhã de hoje (3), relata que a ‘curva’ da epidemia ainda está por chegar, por isso a importância de se ‘alongar’ o gráfico e, “que os pacientes se contaminem aos poucos”, desta forma, enfermos graves teriam mais chances de ter atendimento adequado.

Dados dos pacientes infectados:

  • 80% conseguem se recuperar em casa (muitos assintomáticos);
  • 20% vão precisar do hospital;
  • Destes, 5% vão precisar de ‘respiradores’.

O vírus e a importância do isolamento social:

  • O vírus Covid-19 permanece ativo na roupa de 3h as 4h;
  • Na madeira, de 10h as 11h;
  • No asfalto (pavimentação), em locais sem incidência do sol, ATÉ 9 DIAS;
  • O SOL ENFRAQUECE O VÍRUS.

ESCUTE A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:

Entrevista com o Dr. Alfredo Pukall Born

por São Lourenço Repórter | 3/04/2020