O Dr. Osmar Möller (em destaque), diretor do Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), fora entrevistado no São Lourenço Repórter desta quarta-feira (5) para abordar uma visão técnica sobre a salinidade da Laguna dos Patos e seus efeitos para São Lourenço do Sul. Após um trabalho de coleta dos graduandos Aryan Bueno Kato e Gabriela Salles Chepe (FOTO) em nossas águas, Dr. Möller explicou diversos fatores, o principal deles: porque a ‘Lagoa’ continua transparente, salgada!

Após breve histórico da última grande seca registrada há 12 anos, nos vemos diante de um fenômeno que assolou a região desde outubro de 2019 e, adentrou boa parte do primeiro semestre de 2020: falta de chuvas. O diretor do Instituto de Oceanografia conta que as condições são niveladas pela maré x descarga fluvial, ou seja, água salgada x água doce. Aliado ao vento sudoeste, ocasiona um leve descompasso, ‘rebaixamento’ do lado sul da Laguna dos Patos. Mesmo com as precipitações no mês passado, não fora suficiente para equilibrar a retomada da água doce.

O IMPACTO NA ATIVIDADE AGRÍCOLA E PESQUEIRA

O sal prejudica organismos não adaptados e um dos fatores para a mortandade de algumas espécies de peixes (peixes de água doce). E, é nocivo para a cultura do arroz.

Möller relata até mesmo os moles de Rio Grande, descarga nos rios com o aumento populacional, desmatamento das vegetações marginais, mau uso do solo, que impactam nos fatores climáticos, no meio ambiente e consequentemente na vida da nossa amada ‘Lagoa dos Patos’.

ESCUTE A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:​

Entrevista com o Dr. Osmar Möller

por São Lourenço Repórter | 5/08/2020