FOTO: arquivo.

Deputados estaduais e todas as entidades representativas do agro estão reunidas em videoconferência, nesta sexta-feira (21),  para debater a Reforma Tributária pretendida pelo governo do Rio Grande do Sul. A preocupação é com o eventual aumento da carga tributária, como tem sinalizado o governo federal. Em entrevista ao São Lourenço Repórter, o presidente do Sindicato Rural de São Lourenço do Sul, Ricardo Serpa, mostrou toda sua indignação, haja vista os 38%, 42% já praticados. “Tem que mexer na máquina do Estado, no legislativo, no judiciário, se não, a população não vai aguentar”, argumenta.

Na entrevista, Serpa relatou da intenção do governo em tributar adubos, fertilizantes, vinho, etc… “Tirar da gasolina e pôr em adubo (tributo). Nós somos contra a Reforma. Não aceitamos tributar a produção”, enfatizou.

O presidente do Sindicato ainda relatou que querem aumentar de 6% para 8% a tributação na regulamentação de heranças. Sendo que 600 ha são registrados anualmente e, 70% não estão concluídos “porque é muito caro e, ainda querem aumentar mais”, criticou.

ESCUTE A ENTREVISTA:

Entrevista com o presidente do Sindicato Rural, Ricardo Serpa

por São Lourenço Repórter | 21/08/2020