O presidente Jair Bolsonaro revogou o auxílio emergencial até o fim do ano, agora em quatro parcelas de R$ 300. “O valor de R$ 600 é muito para quem paga e não é um valor suficiente para todas as necessidades, mas basicamente atende. Esse valor é um pouco superior a 50% do valor do Bolsa Família”, afirmou Bolsonaro.

No quadro DIREITO DO CONSUMIDOR desta quinta-feira (3), o advogado Dr. Maurício Raupp Martins, abordou os pedidos revogados pelo governo. “É um meio importante para as pessoas sobreviverem”, destaca Raupp. Têm aparecido casos indeferidos em que consta que o cidadão não recebe o auxílio emergencial, porque no sistema, erroneamente, mostrar que ainda recebe seguro desemprego. Além de divergências na própria Caixa Econômica Federal, onde no sistema aponta que o recurso está disponível, mas não consta na conta.

A orientação do advogado é encaminhar um requerimento para a Caixa. Caso não haja resposta, aí está embasado para recorrer judicialmente.

ESCUTE A ENTREVISTA:

Entrevista com o advogado Dr. Maurício Raupp Martins

por São Lourenço Repórter | 3/09/2020