O turista veio para São Lourenço por fortes razões: rever familiares, réveillon, praia e curtir o veraneio. De outro lado, a Pandemia do Covid-19 com seus decretos e regras duras para providenciar distanciamentos, uso de máscara, álcool gel e tantos outros protocolos recomendados pelos agentes de saúde e colocados em prática pelos agentes políticos, via Vigilância Sanitária. Entendendo os motivos que provocaram a publicação do último Decreto e de competência do Município, a convivência entre o público, empresários e decisões da autoridade política que estabeleceu as regras estavam de acordo, tentando adaptações possíveis e necessárias. Porém na passagem do Ano Novo, constataram-se fortes aglomerações em determinado trajeto da Av. Getúlio Vargas e que, embora combatidas pela polícia, só dispersava grupos até 10 minutos após a sua saída do local.

Agora, foram colocadas placas, cavaletes e fitas de isolamento, proibindo estacionamento 24 horas, desde o Hotel das Figueiras até próximo ao recuo da Ilha, ou seja, na área do Point de Bares da Noite. Os comerciantes passaram a protestar e a justificativa dos vigilantes é, a aglomeração que afronta todas as regras da pandemia.