Depois de muitos questionamentos à procura de soluções para a volta da qualidade da água potável de São Lourenço do Sul, o São Lourenço Repórter conversou na manhã desta terça-feira (26) com a Química Graduada e Dra. pela Universidade de São Paulo, Mestre pela UNICAMP e docente da FURG, Prof.ª Marlene Rios Melo, para levar aos ouvintes respostas capazes de esclarecer dúvidas pertinentes diante do transtorno, que vinha causando mau cheiro, turbidez e até amarelamento das roupas que saíam da máquina de lavar.

Na entrevista, a professora disse que o primeiro problema está no local de recebimento da água usado pela Corsan, pois devido a pouca quantidade de água na barragem, em razão da crise hídrica, há uma quantidade elevada de matéria orgânica com defensivos agrícolas acumulados no solo, que permitem o desenvolvimento das cianobactérias e impedem o tratamento 100% eficaz da água, visto que apenas microorganismos nocivos a saúde e material particulado em suspensão, como argila e areia, são retirados.

Diante dessa realidade, Marlene trouxe propostas e soluções, onde falou sobre a necessidade da construção de um reservatório de água em local com menos impacto ambiental e que contenham árvores ao redor, preferencialmente nativas. Além disso, ela indicou uma agricultura com menos impacto, baseado em princípios da agricologia, para que surjam mais corpos de água, pois a crise hídrica possui tendência a piorar se o Brasil continuar sendo devastado.

Por fim, a profissional falou sobre o filtro de barro doméstico, visto que ele possui capacidade de melhorar a qualidade da água, através do carvão ativado na parte interna do bebedouro. “Mas não é capaz de tirar todos esses contaminantes que estão concentrados na nossa água”, destacou.

Ouça a entrevista completa a seguir:

Entrevista com a Prof.ª Marlene Rios Melo

por São Lourenço Repórter | 26/01/2021