Acreditem, a placa atrás da vegetação é de proibido ultrapassar. Mas lógico, com a falta de manutenção da rodovia, galhos, arbustos sobre a via que liga São Lourenço do Sul a Canguçu, é impossível identificar a sinalização em diversos trechos. O São Lourenço Repórter foi a campo mais uma vez, percorreu a estrada, e a constatação é óbvia: desde novembro, quando começou a apresentar os primeiros problemas, não houve manutenção, roçada ou qualquer coisa do gênero.

Pressões políticas venceram queda de braço com o DaerRS e limite voltou a 80 km/h.

Outra constatação: sim, observamos a pressão política pra cima do DaerRS, tanto situação como oposição do Governo do Estado RS. Pressão de vereadores e prefeitos (São Lourenço do Sul/Canguçu). E, ficou claro que o limite de velocidade, de certa forma foi solucionado, voltando para os habituais 80 km/h (certas retas da rodovia ainda há muito a se discutir).

Perímetro urbano com demarcação visível, em Boqueirão.

Porém, em trechos da ERS-265, principalmente em curvas, onde é mais perigosa e sugestiva a atenção, não é possível visualizar placas de CURVA PERIGOSA e PROIBIDO ULTRAPASSAR. E pior, assim como já evidenciou a comunidade, reivindicações do “caça-níquel com os colonos” empregado pela Polícia Rodoviária Estadual (PRE), que inclusive teve audiência com a Câmara de Vereadores de São Lourenço, recebendo o comandante da PRE, coronel José Henrique Botelho, em 20/01/2021.

QUESTIONAMENTO DO REPÓRTER: Ao percorrer a ERS 265, notamos que até existe sinalização, mas é IMPOSSÍVEL visualizar certas placas, visto que a vegetação tomou conta da rodovia (imagina na chuva). O São Lourenço Repórter vem a mais de 3 meses cobrando alguma ação dos vereadores, prefeitos, deputados, PRE, junto ao DaerRS, mas é notório o descaso com produtores rurais e a própria ERS-265, principal responsável pelo escoamento da produção agrícola da colônia. O “caça-níquel” está ligado, FIQUE ATENTO!