O registro (FOTO CAPA antes da chuva de sábado (20)) é de um verdadeiro barral no Prado Novo, interior de São Lourenço do Sul. A estrada principal do 5º Distrito com diversos veículos atolando e, com a proximidade da época da colheita, proporcionando risco de acidentes, naquela que promete ser uma safra recorde. Porém, é evidente, com as estradas neste estado, carros não conseguem se descolorar, o que imaginar de caminhões.

Atoleiro no Prado Novo na manhã de sábado (20).

Ao São Lourenço Repórter, as reivindicações da comunidade são fortes e pesadas, implorando por socorro da Administração Municipal. Em nossas redes sociais, as manifestações são das mais distintas localidades: “Na Fortaleza tá esquecido”; “Estamos esperando aqui na Formosa, Pinheirinhos e Campestre! Mas tá difícil”; “E aqui no Taquaral?”.

Até mesmo na estrada da Reserva, patrolada na última sexta-feira (19), não faltaram ‘papas na língua’: “Peço que deem mais uma volta por lá na segunda (22), pois ficou igual a vontade deles de trabalhar”; e “Isso só na principal, porque nos travessões e outras estradinhas não se enxergam patrola, todos pagamos impostos”. Enfim, são reclamações que não acabam mais.

Produtores rurais do Pontal, Vila Maria, idem, clamam por estrada em uma época tão importante. Na via que sai da cidade e que serve de caminho para essas localidades, uma reivindicação antiga: A ‘Ponte dos Härter’, entre Espinilho e Camponesa, que desde 2016 (Governo Daniel Raupp), impede a passagem de grandes caminhões de carga. A atual administração adquiriu em 2019 galerias para solucionar o problema, mas até agora, não foram instaladas.

A queixa do interior quanto o abandono das vias, antes e depois das chuvas, é de que estão completamente esburacadas, com ‘costeletas’, crateras, barro, clamando pela tão comentada CASCALHEIRA que estaria à disposição na época de campanha eleitoral, por longos 100 anos.