Devido o atual cenário da pandemia de Covid-19 no Brasil, o auxílio emergencial ganhou novas rodadas de pagamentos, com data prevista para retornar em abril. Após parlamentares e especialistas se manifestarem e colocarem pressão no atual governo, o presidente, Jair Bolsonaro, assinou na última quinta-feira (18/3) uma medida provisória que estabelece os pagamentos neste ano.

Ao todo, os beneficiados irão receber quatro parcelas com preços que irão variar entre R$ 250, R$ 375 ou R$ 150, de acordo com o perfil de cada cidadão e a formação de cada família.

No São Lourenço Repórter desta manhã (25), o advogado, Dr. Maurício Raupp Martins, informou que as pessoas não precisam fazer um novo cadastro para receber os pagamentos e exemplificou como será a nova sistemática. “O governo diz assim: eu vou dizer quem vai receber. Como já teve o primeiro auxílio emergencial, depois teve o auxílio emergencial aquele que foi a prorrogação, o governo tem uma série de dados das pessoas que receberam o auxílio emergencial. Então não precisa ninguém se inscrever”.

Ao falar sobre a medida provisória assinada por Bolsonaro, o advogado disse que para garantir o auxílio, os cidadãos não podem estar recebendo nenhum benefício do governo e, ter renda per capita por família acima de meio salário mínimo. “O que significa isso? Tu pega uma casa com cinco pessoas, tu pega a renda de todo mundo, divide por cinco, se deu R$ 0,01 acima de meio salário mínimo por pessoa, está fora. Se a renda da família é superior a três salários mínimos, está fora”, destacou.

Por fim, Maurício demonstrou preocupação diante da forma que o governo irá decidir quem ganha o benefício ou não, ponderando que a base de dados dos beneficiários de 2020 podem não coincidir com a realidade atual de 2021. “O governo vai olhar a base de dados que ele tem, então a base de dados diz lá: mora em uma casa o Maurício, o Ruy Fernando, o Cau e mais alguém. Neste meio tempo o Maurício estava empregado, perdeu o emprego e talvez essa informação não esteja lá. Então vai acontecer do governo dizer: esse tem direito e esse aqui não. E o que não tem pode estar sendo prejudicado”, evidenciou.

Para mais detalhes, ouça a entrevista completa:

Entrevista com o advogado, Dr. Maurício Raupp Martins

por São Lourenço Repórter | 25/03/2021