Uma manifestação que iniciou por volta das 5h desta quinta-feira (25), encabeçada por pescadores artesanais das colônias Z1 (Rio Grande e São José do Norte) e Z3 (Pelotas), bloqueou trechos da BR-392. O ato acompanhado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), trancava o trânsito de maneira intercalada. Com cartazes de “FORA SECRETÁRIO DA PESCA”, faixas e material de trabalho, os pescadores artesanais denunciam perseguição e fiscalização demasiada do Ibama e Patram, em plena safra do camarão na Lagoa dos Patos, que se estende até o dia 31 de maio.  

“Queremos trabalhar e que os pescadores tenham o peixe. Estamos a poucos dias da Semana Santa”, disse William Viegas, da Colônia Z3, em entrevista ao Diário Popular.

Conforme os pescadores artesanais de São Lourenço do Sul, os atos podem se intensificar e, chegar a BR-116 no trecho que compreende o município.

A fiscalização também tem incomodado caminhoneiros que vêm  buscar o produto, apontando irregularidades no talão do produtor, acusando suposta simulação no comprovante de carga. “Eu presenciei uma cena que a Patram apreendeu a rede de pesca e quase prenderam o pescador. Estão apreendendo a carga dos caminhões nas rodovias. Estão prejudicando o escoamento da safra”, disse o empresário do setor, Clodoaldo Vargas, ao São Lourenço Repórter.

Ao que tudo indica, a pesca de arrasto (redes), suspensa temporariamente, medida tomada pela Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP), do Ministério da Agricultura, tem gerado pressão de grandes empresários do setor para fiscalização aos pescadores artesanais.