Fábia Richter explicou porque se exonerou do cargo profissional em São Lourenço o Sul: “Não tive um diálogo muito bacana” 

A vice-presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (FAMURS), Fábia Richter, concedeu entrevista ao São Lourenço Repórter na manhã desta quinta-feira (6) e, explicou porque se exonerou do cargo profissional que ocupava no município, após o encerramento e seus dois mandatos como prefeita de Cristal: “Eu era funcionária de carreira, concursada no município de São Lourenço o Sul, desde 1997. Me licenciei para ocupar cargo mandatário. No retorno das minhas atividades profissionais, até conversamos com o prefeito Rudinei, mas me exonerei. Não tive um diálogo muito bacana, até me surpreendi negativamente. A Secretaria Municipal de Saúde não teve interesse em me manter como funcionária”. 

Richter também deu detalhes da reunião interna de ontem à  noite da FAMURS, em que projetaram a volta às aulas, bem como demandas para a nova proposta do modelo de distanciamento controlado no Rio Grande do Sul. Dentre elas, contato direto com o governador Eduardo Leite para construir protocolos básicos; Composição no Comitê de Crise Estadual; maior testagem e, maior repreensão da Brigada Militar nas fiscalizações. “O governador chamou pra ele uma responsabilidade muito forte instituindo a bandeira preta em todos os municípios do Rio Grande do Sul. Agora o discurso é outro: os prefeitos olhem para os seus municípios e que cada região olhe para sua região, para dividir a responsabilidade sobre o distanciamento controlado. De maior responsabilidade para os prefeitos, mas me parece, mais assertiva”.

Escute a entrevista na íntegra:

Entrevista com a vice-presidente da FAMURS, Fábia Richter

por São Lourenço Repórter | 6/05/2021