Na entrevista, o administrador André Hinterholz, dá detalhes do futuro da Santa Casa.

Dia 25 de junho a direção da Santa Casa de Misericórdia de São Lourenço do Sul fora informada pela Administração Municipal, através de um ofício, de que o convênio estaria sendo instinto em 31 de julho de 2021. “Nos causou surpresa, por que o convite era pra dialogar, pra ver o quê poderia ser feito para manter o atendimento para a população”, evidenciou o administrador do hospital, André Hinterholz, aos microfones do São Lourenço Repórter – RÁDIO SÃO LOURENÇO AM 1190, na manhã desta quinta-feira (8).

Na entrevista, o gestor falou dos serviços disponibilizados pela Santa Casa através do convênio municipal. “Presta um Pronto Atendimento, atendimento médico 24h; portaria, nutrição, etc…, da entrada a saída do paciente”. A administração da casa de saúde vem participando de várias reuniões desde então, com a 3ª Coordenadoria de Saúde, Conselho Municipal de Saúde e, até com o Governo do Estado e, não esconde a preocupação com o futuro dos servidores da instituição: “Se não houver uma revisão, nós estamos fazendo um projeto interno; o atendimento da ‘esquina’ (Pronto Socorro), não haveria mais. Nós vamos montar um serviço de especialidades médicas, particulares e convênios”, evidenciou.

Quanto aos tramites que levaram ao fim do convênio com a municipalidade, sempre esteve no discurso de ambas as partes a pauta, valores defasados, que gerava prejuízos; “A cada ano que se passa, o montante já passa de R$ 4 milhões”, disse André. E, apresentou os números do Pronto Atendimento 24h proposto pela Prefeitura, após reunião do Conselho Municipal de Saúde. “Valor da hora médica: R$ 140,00; R$ 75,00 é no convênio Prefeitura/Santa Casa. Nos causa surpresa, porque para a Santa Casa o município tinha dificuldade de repor o reajuste. Conversando, a gente poderia ver um valor intermediário”, sintetiza.

Comitê Técnico no CMS

Fora formado um Comitê Técnico dentro do Conselho Municipal da Saúde (CMS) – haverá importante reunião na sexta-feira (9). “Nesse trabalho vai ser discutido essa proposta para ser implementada. Vai se levar para o CMS para analisar e ver se aprova ou não o projeto; o projeto pode ser vetado pelos conselheiros. Eles tem esse poder, de acordo com a Lei 8.142”, informou.

Escute a entrevista na íntegra:

Entrevista com o administrador da Santa Casa, André Hinterholz

por São Lourenço Repórter | 08/07/2021