“O Município de São Lourenço do Sul vem de público esclarecer fatos lamentáveis ocorridos durante o fim de semana na área da saúde, tão logo a comunidade ganhou um novo serviço, a Policlínica 24 horas.

Nas primeiras horas de funcionamento da Policlínica, chegou ao local um paciente de 70 anos em estado grave, imediatamente acolhido e recebendo os procedimentos técnicos pela equipe especializada que atende no Pronto Atendimento, inclusive com a realização de eletrocardiograma e exames laboratoriais. Ocorre que logo da chegada do paciente, a equipe identificou tratar-se de caso de alta complexidade e não de baixa a que se destina o novo serviço. Assim, o profissional médico logo buscou pela transferência para o Pronto Socorro da Santa Casa, recebendo negativa dos profissionais médicos daquela instituição por mais de uma vez. Até mesmo a regulação regional do SAMU recebeu negativa de transferência do paciente para o Pronto Socorro que por força de convênio com o Estado deve realizar este atendimento. Diante de todas as negativas do Pronto Socorro da Santa Casa os profissionais da Policlínica conseguiram a transferência do paciente para o Pronto Socorro de Pelotas, no entanto, infelizmente não houve mais tempo de salvar o senhor que faleceu antes da chegada da UTI Móvel acionada pelo Município.

Na noite seguinte um jovem de 15 anos com risco de morte chegou ao Pronto Socorro da Santa Casa e diante da gravidade do quadro necessitava de transferência para Pelotas, recebendo negativa de acompanhamento do profissional da instituição durante a transferência. O Município então contratou durante a madrugada uma UTI Móvel com equipe médica (tipo de serviço móvel que São Lourenço do Sul nunca teve), sendo então o jovem transferido para Pelotas, onde permanece internado.

Em ambas as situações o Município de maneira nenhuma se omitiu, pelo contrário, agiu para que todo o necessário para o socorro aos pacientes fosse feito. Diante das negativas dos profissionais médicos do Pronto Socorro da Santa Casa, o prefeito Rudinei Härter tomará todas as providências cabíveis juntos aos órgãos fiscalizadores para que casos semelhantes não se repitam e para que os profissionais envolvidos sejam responsabilizados, pois a saúde dos lourencianos deve sempre ser a prioridade sob qualquer circunstância.”