Ao que tudo indica, uma ‘nova profissão’, se não fosse trágico, está em evidência no mundo do crime: o estelionato e, os alarmantes índices da prática em São Lourenço do Sul no período da pandemia.  

R.S., 61 anos de idade, registrou ocorrência da Delegacia de Polícia de São Lourenço do Sul na quinta-feira (21), para comunicar que recebeu uma intimação do cartório com um boleto a ser pago até o próximo dia 26/10, sendo que havia vencido no dia 12/10, no valor de R$ 2.880,67, referente a uma suposta compra em seu CNPJ, de uma empresa de Caxias do Sul. Ocorre que nunca fez tal compra, nem cadastro na empresa mencionada.

Na mesma data, A.C.A., 32 anos de idade, registrou ocorrência na DP local para comunicar que seu nome estava no SPC Serasa. Verificou que alguém usou os seus dados para fazer uma compra numa loja de Arroio do Sal, ficando uma dívida em seu nome de R$ 3.137,52, a ser paga em doze parcelas de R$ 261,46 de 6/08/2021 a 6/07/2022. Diz não ter autorizado ninguém a fazer a compra e, nunca esteve naquela cidade.