Entramos no período crítico de incêndios florestais, vegetação rasteira e eucaliptos no interior de São Lourenço do Sul, onde culturalmente algumas pessoas ateiam fogo nas propriedades e margens de rodovias como forma de limpeza e redução da vegetação. “Nós temos atendido muitas ocorrências, muito também pelo fator clima.

“Muitos focos na beira de estradas. Muitas vezes a pessoa está fumando e larga uma bituca de cigarro, e isso já basta. Ocorre também proprietários colocarem fogo no local para efetuar a plantação posterior; muda o tempo, muda o clima e já se perde o controle. Pode configurar crime ambiental”, contou o Sargento do Corpo de Bombeiros (CBMRS através do 3º Pelotão de Bombeiros Militar), Marcelo Bandeira Tavares, ao São Lourenço Repórter na manhã de hoje (22).

A orientação do comandante é avisar o CBMRS antes de qualquer tipo de ação, a fim de agilizar futuros sinistros. Pra se ter uma ideia, no último final de semana o CBMRS atendeu mais de 10 ocorrências. “Procurar informar (antes de queimar) o Corpo de Bombeiros para caso, ocorrer alguma situação” – escute a entrevista:

Entrevista com o Sargento do Corpo de Bombeiros, Marcelo Bandeira Tavares

por São Lourenço Repórter | 22/02/2022